sábado, setembro 10, 2005

Três noites de lua cheia de mim

Passou no espaço azul uma fugaz dança
(Eugenio Montale)


Já caminhava há umas três horas, dúvida no passo e cada passo resolvendo o consenso que nem queria chegar. Saudade das três horas andando, já havia parado só para chegar perto do consenso que não queria, enquanto caminhava não havia certeza, porque se caminhava é porque tinha dúvidas para onde ir. Descobri que não tomei a ambrosia, mas isso não impediu que a minha forma humana se consumasse. Pensei por três horas que o movimento das sereias era mais belo há três anos e ainda tive vontade de chorar porque nem sequer lembrava o que meu pai falava sobre as sereias, que eu achava que era o mesmo que cereais na manhã ensolarada. Já sei, hoje, três horas passadas, que a vida perto do equador é mais saudade. Não lembrei que a fragilidade pode ser disfarçada, recordei isso apenas três horas depois e já estava em casa, comendo os últimos três pedaços de chocolate e pensando no movimento das sereias/cereais na manhã com o sol do equador.

não bebi a ambrosia
S(em) saudade
Não sou eterna
Já sinto falta de mim

Depois, vi que escrevia apenas para matar saudade e terminar os últimos goles de vinho que descansavam na garrafa. Nem queria que o relógio anunciasse as três horas não dormidas da manhã ainda sem sol no equador. Descobri que viver no trópico aumenta a saudade que até três meses não conhecia. É entretenimento tentar desvendar em que Estado me encontro.

passo que traz saudade
não passa
na estrada dianteira
meu passatempo
Passa a tempo, bem ligeiro

Descobri nesses três últimos minutos que a razão está no silêncio e que infância não se acaba nas cantigas de roda; - e nem mesmo as nuvens são siglas que desejam ser decifradas. (Tu)do que é obscuro tende a ser clareado.




(quem vai ter coragem de ler tudo isso??? assino: janaina, meio blues)

6 comentários:

Ricardo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
André Olinda disse...

menina que amo, menina do sorriso bonito, menina em quem acredito.

saudade palavra que não sai da cabeça
beijões em ti, querida

pagu disse...

como se fosse um sacrificio...

amor, tua tatuzi!

Luiz Fernando disse...

Oi janaína! Acabei de ler esta postagem, achei muito legal, bonito!! Já passam das 3hs, por isso não poderei ler os outros, mas amanhã com mais calma voltarei e irei ler os outros!!
Um beijo!!

o caminho do meio disse...

jana, linda! demorei, mas apareci! é que esse feriadão me deixou só na coíra pura :)
ei... lindo aqui! vc é linda! e o texto mais recente tá a tua cara atual.. mas nada de blues por muito tempo, viu? vamos marcar de ir a casa de ricardo pentelhar ele. quero dar umas broncas nele, hehe.
te amo, linda!

chacarera blues disse...

suspiro...